Páginas

quarta-feira, 2 de maio de 2018

O seu amor tem gosto de liberdade
de América latina, de revolução
O seu amor é novidade
Tem a pureza da infância,
o privilégio de não querer saber
para poder aprender.

O meu amor tem ânsia
de buscar o que não se pode dar
Tem gosto de querer se libertar
e não conseguir
De querer crescer
e ser sempre vista como criança

terça-feira, 28 de novembro de 2017

Sobre momentos mal digeridos

Um dia estávamos nós, novos namorados, a beira da praia. A praia não era lá aquelas coisas, não mesmo, mas para uma mente que às vezes se vê como romântica bastava. Era praia, enfim: tinha areia, mar, bichinhos assutadores cavando terra a dentro,  e outros ainda mais assustadores nadando pelas águas. O dia foi bom, os dias já estavam sendo bons. Eu te vendo o dia todo sabendo que assim seria por mais um tempo. Mas sim, estávamos a beira-mar. Tínhamos dado uma corrida para o lado da praia que tinha menos gente, como se isso fosse possível para aquela praia. Você estava falando sobre nós, sobre como se sentia em relação a mim. Como casais recentes fazem eu tentei completar uma frase que você não sabia como continuar. O tempo estava tão solar, eu, você, olho a olho, mão sobre mão. Falei com toda o semblante de alguém que sabe o que diz que eu te completava e vice-versa. Afinal, paixão demanda frases assim, não é? Você conseguiu jogar um balde com água mais fria que as águas do mesmo mar em terras além-mar que não era isso, não mesmo. Eu transparente que sou, e não estou falando baseada só pela minha cor de pele, sinalizei tão sutilmente como aqueles sinalizadores de filmes sobre náufragos podem ser, que não tinha gostado da resposta. Com toda a minha dificuldade de falar sobre como me sinto, consegui afinal falar o quanto você tinha quebrado o clima, embora eu tenha concordado com a sua justificativa, embora ainda achasse que as pessoas tenham que dizer de vez em quando umas frases apenas porque são bonitinhas, embora eu não seja exatamente uma pessoa fofa, embora as pessoas achem que sou a julgar pela minha aparência. Com toda minha habilidade de fugir de assuntos embaraçosos propus que voltássemos correndo. Mesmo geralmente não aguentando nem 30 segundos de corrida, consegui correr o mais rápido possível daquela situação. Lembro que por essa e outras, escrevi um poema que nunca mostrei para ninguém, como de costume, sobre uma poesia que talvez você gostasse. Ela falava mais ou menos sobre como eu poderia viver muito bem sem ter te conhecido, como eu no fundo não preciso de você agora, sobre a real incerteza de nós sermos o amor de cada respectiva vida, sobre como não somos daqui até a eternidade, porque afinal quem sabe por certo como é a eternidade? Não sei exatamente porque estou escrevendo isso agora, talvez porque o momento tenha passado e talvez porque eu agora esteja vendo o lado bom de você ser tão racional às vezes, mesmo que essa característica tenha me impedido de escrever muito sobre você e mais ainda de ter te mostrado as coisas que escrevo. A verdade é que não me vejo mais na maioria dos meus textos e não quero mais escrever coisas só por escrever, porque são "poéticas", porque dizem coisas sobre o que acho que o amor é. Já me enganei algumas várias vezes, sabe. Não quero um amor que traz morte, como em Shakespeare, ou com o amor que a indústria cultural quer nos definir e enfiar goela acima, ou um amor que é arma para os manipuladores. Não quero descobrir sobre nós em uma música ou poema já prontos, não quero que o que eu escreva seja maior do que nós somos. Quero, e sei que é o que você quer também, é descobrir sobre o amor que é de fato maior que nós, aquele que em verdade nos completa por inteiro, aquele que fez você superar quando achava que uma pessoa que te completava se foi, aquele que me fez sacrificar a experiência mais intensa que tive sobre o que eu achava que era o amor. Eu e você sabemos que nós somos bem menores e que se for da vontade do amor a gente vai se separar e se for da vontade do amor a gente vai continuar. Isso me traz paz, isso me traz tranquilidade, assim como observar o mar e saber quem o controla.

quinta-feira, 16 de novembro de 2017

Sobre ir | 2

Um dia eu vou, porque não há nenhuma nenhuma teoria que me impeça de ir. Um dia eu vou porque não há metafísica que me segure. Um dia eu vou porque nenhuma matéria me prenderia. Um dia eu vou porque nada na mente me convence de ficar. Um dia eu vou porque a literatura não há. Um dia eu vou porque o romantismo pode acabar. Um dia eu vou, porque as coisas mudam. Um dia eu vou, mesmo que as coisas não mudem. Um dia eu vou, porque você não tentaria me segurar. Um dia eu vou, porque você não iria me acompanhar.

Sobre ir | 1

Eu sou a que sempre quer ir.
Se eu for, ou se você ir, se eu for sua bagagem, se você for a minha, tudo o que importa é sua companhia.
Eu quero fugir, eu quero explorar, quero me aventurar, quero te descobrir por inteiro.
Não importa o lugar, o clima, as pessoas, desde que você esteja lá.
Se tiver teto, se tiver cama, o único lugar que quero morar é nos seus braços.
Se for pra acertar, se for pra errar, que seja com você.
O que eu for ver, o que você for sentir, que você seja os meus olhos e eu a sua pele.
Eu não sei se estava esperando, se você passou a ser uma demanda, o que eu sei é que sinto coisas que não imaginava, que você me supre no que eu nem sabia que faltava.
Eu nem chego a precisar e você já está aqui me mostrando pelo coração o caminho sem volta que é te conhecer.
Como eu amo o conhecimento! Como eu amo a sensibilidade e a capacidade humana para o amor!
Eu sou a que sempre quer ir desde que seja com você.

terça-feira, 19 de setembro de 2017


E se eu fosse o seu cigarro
e você me deixasse encostar em sua boca
sentir o seu hálito, te sentir me sugando,
me molhando com sua saliva
e se assim você me levasse para te conhecer
no seu mais interior possível
e eu te visse totalmente pelo avesso
mexesse com o seu organismo
penetrasse em suas veias

E se eu sou seu cigarro
aquele que você fuma rapidinho
antes de entrar no ônibus
que você toca com a boca
e nem se dá conta
e já me joga no chão
me amassa, me pisa
já pensando em quando pegará outro
até acabar o maço
corre para comprar outro

sexta-feira, 18 de agosto de 2017

Tua doce voz me chama pelo nome
Diz que eu sou a mulher dos seus sonhos
Eu toda encantada e derretida respondo
Eu quem tive tanta sorte

Teu hálito quente me convida a experimentar
Igual o seu sabor não há
Quero saber o que mais tem por aí
E para descobrir eu espero até o fim

Tua pele macia me toca e me abraça
Já fiz dela a minha casa
Seus braços me dão proteção
E eu te estendo a minha mão

quarta-feira, 7 de junho de 2017

Me faz parar
Me faz parar de pensar
Me faz parar de pensar agora

Só quero sentir
Só quero te sentir

O mundo já me faz pensar
Pensar demais
Não quero mais
Me faz sentir

Insegurança demais
Me segura mais
Tira de mim o peso
Só coloca o teu peso

Não quero nada na minha cabeça
Não quero nenhuma ideia entrando
Quero só você adentrando
Por toda a parte

Quero sentir
Você
O seu corpo
No meu corpo
O meu corpo
O que você provocar

Que nada lá fora perturbe
Que não haja lá fora
Que só tenha o interior
Você no mais interior

Sua pele
Seu hálito
Seu cheiro
Que você seja tudo o que eu sinta
De baixo para cima